domingo, 1 de fevereiro de 2009

Liceu de Artes e Ofícios será afetado por nucleação

A Secretaria Municipal de Educação de Limoeiro do Norte está realizando neste início de ano letivo o processo de nucleação de escolas e turmas das escolas públicas municipais. O processo atingiu, em cheio, o Colégio Liceu de Artes e Ofícios.
A nucleação segue os princípios da resolução 396/2005, que dispõe sobre a organização e redistribuição do parque escolar com o objetivo de melhor atender a necessidade da população escolar, segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira.
O colégio, que ao longo de sua existência passou por muitas mudanças, sofrerá mais uma, e, provavelmente a última, já que todos os seus alunos serão absorvidos por uma outra escola, a Padre Joaquim de Meneses, segundo informa a administração municipal.
Porque a nucleação do Liceu de Artes e Ofícios?
Esta é uma pergunta que muitas pessoas se fizeram. O esclarecimento que a Secretaria de Educação está informando é que em 2006 a prefeitura municipal recebeu, do Governo do Estado, a Escola Padre Joaquim de Meneses, uma vez que foi identificada que a escola não dispunha de alunos suficientes para que continuasse aberta e mantida por eles. O Governo Municipal identificou que a mesma precisava de investimento, estando no momento passando por um processo de modernização e recuperação. Outro caso semelhante foi o da Escola Maria Gonçalves, em 1999, que atualmente funciona como anexo de outra escola recém-construída.
Segundo informa a Secretaria de Educação, com a recuperação da Escola Padre Joaquim a prefeitura agora dispõe de um espaço modernizado e preparado para receber os alunos do Colégio Liceu de Artes e Ofícios, que não pertence ao poder público municipal. Segundo informa ainda a secretaria, é a prefeitura que dá manutenção, contrata pessoal e paga todas as despesas de água e energia do Liceu.
Constatado que as matrículas na Escola Padre Joaquim não atenderam as expectativas em termos números de alunos sendo, portanto, insuficientes para atender as exigências do MEC, a manutenção das duas escolas funcionando geraria gastos desnecessários aos cofres da municipalidade, optando assim, pela escola que é do município.
A orientação da Secretaria de Educação é que os pais direcionem seus filhos para as escolas Padre Joaquim de Meneses e Ester Guimarães, ficando os alunos da creche ao 5º ano na escola Ester Guimarães, sendo que as aulas da creche ao 2º ano serão pela manhã. Já do 3º ao 5º ano as aulas acontecerão no período da tarde. Na escola Padre Joaquim de Meneses ficarão os alunos do 6º ao 9º ano, divididos em dois turnos.
A secretaria esclarece ainda, que os alunos das localidades de Sítio Socorro, Maria Dias, Bom Fim, Boa fé e anexo Ana Mendes, devem também procurar as duas escolas.
Fonte: Notícias do Vale
Manifestação
Na próxima quarta-feira (04/02), às 7:00h, no Liceu de Artes e Ofícios, haverá uma reunião com a participação de Pais, alunos, ex-alunos, funcionários, ex-funcionários e a comunidade em geral, para discutirem sobre o processo de nucleação da escola.
Além de serem contrários a decisão do Governo Municipal, não concordando com a justificativa dada, os envolvidos reclamam por não serem consultados, e mostram insatisfação pela decisão ter sido unilateral.
Liceu de Artes e Ofícios
Fundado em 1952 pelo Padre Misael Alves de Sousa, com o apoio integral de Dom Aureliano Matos, o aluno do Liceu de Artes e Ofícios contava, além da parte intelectual, com cursos profissionalizantes, tais como: soldador, eletricidade, música, máquinas, marcenaria e artes gráficas.
Como não havia dinheiro disponível, Padre Misael recorreu à Alemanha Ocidental, donde recebeu doação em dinheiro, com o qual ele comprou máquinas de que tanto necessitava o estabelecimento.
O prédio do Liceu foi edificado em um terreno, ao lado do Palácio Episcopal, local onde outrora existiu o “Casarão de João Anselmo da Silveira Vidal”, advogado de prestígio na região.
Apesar de não contar com a admiração da elite dirigente, uma vez que ali não havia o estudo do Latim, do Francês, do Inglês, o sucesso do Liceu levou a classe média, e as mais elevadas, a um novo raciocínio:
Nem só de ensino acadêmico vivem os povos. O ideal seria que a cultura técnica e a clássica dessem as mãos em prol da sociedade, da integração cultural, há muito aceita pelas grandes nações.
Foto: Mário Oliveira
Livro: “O Limoeiro de Dom Aureliano Matos” - Antonio Nunes Malveira

4 comentários:

Anônimo disse...

É realmente a "Escola" Liceu de Artes e Ofícios fechar é uma perda enorme para a Educação Limoeirense. Pois esta instituição tem 56 anos de contribuição a educação limoeirense e vem a cada ano se destacando com uma das melhores escolas do município de Limoeiro do Norte, e recentemente na avaliação (IDEB) obteve nota 4.3 ficando em segundo lugar no município e com a média bem acima das médias nacional, estadual e municipal. Recentemente contando com mais de 400 alunos matriculados é umas das escolas traqdicionais de Limoeiro do Norte fundada pelo Cônego Misael Alves de Sousa e com incentivos de Dom Aureliano Matos.

calves_torres disse...

Boa Noite, Jaguaribanos!
Como tenho buscado estudos sobre a vida e toda a grandiosa força que foi cônego Misael Alves de Sousa, para a Educação do Vale jaguaribano. A partir da Diocese, a FAFIDAM (117viagens a Fortaleza para resolver protocolos), a cooperativa dos trabalhadores rurais,(hoje sindicato), O posto do DNOCS(inicialmente),A Escola Normal, O Diocesano, Osonho do museu da carnaúba, o Livro cuja coletânea que ficara em suas mãos e que não houve tempo de publicar, as sementes que ele plantou, pela qual recebeu também, a Medalha JUSTINIANO DE SERPA,bem próximo ao seu falecimento, e o LICEU DE ARTES E OFÌCIOS, sua maior luta...Saibam Limoeirenses e jaguaribanos...Misael sonhava com LIMOEIRO..."Limoeiro, para ele se tornaria a cidade Cultura do Vale". Disse isso em uma de suas cartas ao amigo Malveira - Está no Livro "Limoeiro de Dom Aureliano" (e neste momento faço uma crítica, talvez a mais atrevida: O Livro Limoeiro de Dom Aureliano, tem um belo título, merecido, mas o conteúdo, fala mais fortemente de Cônego Misael.Muito interessante. Alguém saberia me dizer por que? Alías, o Liceu era a Menina dos Olhos da Educação dos flhos dos trabalhadores( MIsael defendia isso. O Cônego, falava em Educação, e aconselhava aos trabalhadores a colocarem seus filhos para estudar...mas a resposta, naquela época, era:"estudar não dá boi". Não sei se esta frase tem a ver com sua origem, mas alguém a citou num dos livros de Limoeiros.Portanto, Neto de Fazendeiro empobrecido - Seu avô era o Antônio Alves, conhecido entre os mais próximos, como Barão Citonho, dono da Fazenda dos Alves do Sítio de Baixo, propriedade hoje, ainda pertencente à sua família. Muito bem...Misael sabia que criar bois já não era a receita. Nascido na comunidade de Danças, agricultor que foi, só podia defender a escola, a educação, para os filhos dos mais humildes.O LICEU simbolizava para ele, a família a qual não pode colocar toda ela na escola. Mas seus ensinamentos, como educador, desde a época do Seminario, já se apontava(reunia os primos e debaixo daquele tamarineiro da FAZENDA dos Alves, lhes ensinava a palavra de Deus. Talento para educador já o tinha. Pensava na família como uma extensão de si e de seus projetos de vida, seus sonhos. Fazia dos Limoeirenses, a sua fé.Falava em Escola técnica mais do que se fala hoje. Sonhava e outros limoeirenses estão realizando: Os CENTECS, OS CEFETS( que alías, devia ter seu nome - travessa ou rua é pouco para o educador jaguaribano- ele não asfaltava, ele educava e educa até hoje, através das ações que fez de LIMOEIRO, a Cidade Cultura do Vale. Não acreditam? O Resultado de "OS MESTRES DO MUNDO", o fato de os limoeirenses os prestigiar...quer mais? Faça cultura em Limoeiro e verá que todos participam. VEJO o Sonho que ele escrevia nas cartas a Malveira, quase realizados: Limoeiro cidade cultura do Vale, LImoeiro das escolas técnicas, Limoeiro do Museu da Carnaúba( tem alguém articulando - espero que lembrem bem essee nome: CÔNEGO MISAEL ALVES DE SOUSA. ENTÃO...Limoeirenses e jaguaribanos! Que Limoeiro realize a nucleação, que cumpra a lei...MAS LImoeiro não deve deixar de lembrar que Cônego Misael foi articulador da Educação no Vale do Jaguaribe. Limoeiro não deve ser ingrato em deixar "fechar" a memória de seu maior Educador. O LICEU DE ARTES E OFÌCIOS Foi GRANDIOSO sonho da Educação do filho do trabalhador. Sua estrutura física é tão grande quanto o amor de Misael pela educação, por Limoeiro. A prova estar...nenhum Limoeirense, seja humilde trabalhador, seja elite, tem o direito de DEIXAR O LICEU cair(falo de estrutura física e de sua MISSÂO MAIOR - educar o filho do trabalhador). Aos jaguaribanos, meu grande abraço. Aos Limoeirenses, meus apelos: preservem, viva memória, do saudoso CÔNEGO MISAEL ALVES DE SOUSA - O EDUCADO JAGUARIBANO, como bem o dissera, pois ele é a HISTÒRIA de seus munícipes.
Conceição Alves , artista plástica, poetisa e cordelista.
Russas, 28 de fevereiro de 2009.

Alex Chaves Monteiro disse...

Olá, amiga Conceição Alves...

Me causou surpresa, e uma imensa satisfação, as palavras deixadas sobre o Liceu de Artes e Ofícios e Cônego Misael Alves de Sousa. Como aluno que fui do citado colégio, desde o "Jardim" à 8ª Série (hoje 9º ano), sei um pouco da história e da importância deles em prol da educação do povo limoeirense.

Realmente o povo limoeirense respira cultura, mas infelizmente nos últimos tempos, estamo sendo vítimas da falta desse "oxigênio" no ar respirado, produzindo grave ameaça à vida ou a extinção dessa paixão do povo pela cultura, simplismente pelo fato da desvalorização da memória desse povo por parte das autoridades, não só de Limoeiro, mas do Vale do Jaguaribe em si.

Já disseram que: "se quer compreender o futuro, observe-se o passado". Diante desta frase me interrogo, sem ver uma resposta breve, sobre como será os próximos dias da população jaguaribana.

Sem mais, agradeço pela visita inesperada, mas prazerosa, e espero que continue acessando nosso blog.

Conce disse...

Bem, Alex Chaves

Gostaria de me desculpar por uns erros que depois detectei no texto que escrevi,a empolgação nem sequer deixou-me corrigí-los antes do envio. Se tiver alguma informação incorreta sobre Limoeiro ou Misael, favor corrigir-me. Ando a pesquisar e é importante informãções corretas. Muito obrigado pela existência do blog. Limoeiro realmente é, aos olhos daqueles que a veem "de fora", a cidade cultura do Vale. Se pesquisarmos as cidades vizinhas...Sua cidade tem um jeitinho de "Capitalzinha Intelectual"(com todo carinho pela Terra de Misael).Cabe aos Limoeirenses valorizarem isso.Se puder me ajudar com informações,calves_torres@yahoo.com.br, agradeço imensamente. Um abraço,
Conceição Alves.